segunda-feira, 21 de fevereiro de 2022

A política está de mau humor

E isso até seria cômico, se não fosse trágico

(Por Lygia Maria, na Folha de S.Paulo em 21/02/2022)

Uma das piores consequências da polarização político-ideológica é a perda do senso de humor. Nem falo de piadas preconceituosas ou de baixo calão. Falo da ironia fina, dos trocadilhos, dessa atividade linguística que torna a vida mais palatável e que também nos faz pensar. Você, caro leitor, já deve ter passado por isto ultimamente: soltou um chiste inofensivo e acabou soterrado por problematizações.

Há séculos filósofos falam sobre o riso. Freud disse que o humor é um mecanismo de economia de energia psíquica: obtemos prazer, em vez de sofrer, em situações ruins. Para Nietzsche e Bataille, o humor possibilita formas de pensamento não ferrenhamente apegadas à razão: já que ela, apenas, é incapaz de lidar com o sofrimento existencial. Daí surgem as comparações entre o humor, a arte e o erotismo.

A poesia é uma erotização da linguagem, já que retira dela sua função meramente utilitária: a comunicação. Da mesma forma, o erotismo arrefece a função utilitária do sexo: a procriação. Estetizar é erotizar, e vice-versa. Os trocadilhos, os duplos sentidos, a ironia, toda essa fricção de palavras e ideias díspares causam ruídos na comunicação, mas produzem novas formas de pensar e de sentir a realidade. Por isso, o humor é uma forma do ser humano se tratar como obra de arte. Ou seja, de escaparmos da objetificação, de nos aceitarmos como falhos, incompletos, e, assim, produzir prazer físico, estético e mental.

Não é à toa, portanto, que a polarização ideológica está minando nossa capacidade de rir e de fazer rir. Cada lado tem políticos de estimação, seres perfeitos, quase deidades. Seus fiéis seguidores viram sacerdotes à caça de pecados não apenas dos inimigos, mas dos próprios pares. Claro que o humor não cabe nisso. Afinal, com ele, ressaltamos nossa condição mais humana e menos divina, percebemos nossas contradições, idiossincrasias, e essa postura é um perigo para quem se vê como detentor da verdade e da bondade.

(Fonte: https://www1.folha.uol.com.br/colunas/lygia-maria/2022/02/a-politica-esta-de-mau-humor.shtml)

terça-feira, 7 de setembro de 2021

Boa história, cheia de games, hackers e invenções:

"A História e o Legado do Atari" 

https://globoplay.globo.com/v/9454259/

"Easy to learn, hard to master" ;-)

segunda-feira, 26 de abril de 2021

Definhamento pandêmico - e o fluxo necessário

 THE NEW YORK TIMES  CORONAVÍRUS 21/04/2021 

Há um nome para seu mal-estar na pandemia: chama-se 'definhamento'

Um estado mental às vezes negligenciado pode embotar sua motivação e seu foco; e pode ser a emoção predominante em 2021

Adam Grant Psicólogo organizacional em Wharton, autor de "Think Again: The Power of Knowing What You Don’t Know" e apresentador do podcast WorkLife na TED

No princípio eu não reconheci os sintomas que todos tínhamos em comum. Amigos diziam que estavam tendo dificuldade para se concentrar. Colegas relatavam que mesmo com as vacinas à vista eles não estavam entusiasmados com 2021. Uma parente ficava acordada até tarde para assistir a "National Treasure" de novo, apesar de já conhecer o filme de cor. E, em vez de pular da cama às 6h, eu estava ficando lá até as 7h, jogando "Palavras com Amigos". 

Não era esgotamento —nós ainda tínhamos energia. Não era depressão —não nos sentíamos impotentes. Apenas nos sentíamos um pouco sem alegria e sem objetivo. Mas existe um nome para isso: definhamento. 

É um sentimento de estagnação e vazio. Parece que você está se arrastando pelos dias, vendo sua vida através de uma janela embaçada. E poderá ser a emoção predominante em 2021.

Enquanto cientistas e médicos trabalham para tratar e curar os sintomas físicos da Covid persistente, muitas pessoas estão lutando com a persistência emocional da pandemia. Ela pegou alguns de nós despreparados, quando o medo e a dor intensos do ano passado se dissiparam. 

Nos primeiros dias incertos da pandemia, é provável que o sistema de detecção de ameaças do seu cérebro —chamado amígdala— estivesse em alerta máximo para lutar ou fugir. Conforme você aprendeu que as máscaras ajudavam a nos proteger —mas esfregar embalagens não—, provavelmente desenvolveu rotinas que reduziram sua sensação de temor. Mas a pandemia se arrastou, e o estado agudo de angústia deu lugar a uma condição de abatimento crônico. 

Na psicologia, pensamos em saúde mental em um espectro que vai da depressão ao florescimento. O florescimento é o apogeu do bem-estar: você tem um forte sentido de significado, domínio e importância para os outros. A depressão é o vale do mal-estar: você se sente pesado, esgotado e inútil.

O definhamento é o estado médio negligenciado da saúde mental. É o vazio entre depressão e florescimento —a ausência de bem-estar. Você não tem sintomas de doença mental, mas também não está num quadro de saúde mental. Você não funciona com plena capacidade. O definhamento embota sua motivação, perturba sua capacidade de se concentrar e triplica a probabilidade de você regredir no trabalho. Ele parece ser mais comum que a depressão completa —e, de certas maneiras, pode ser um maior fator de risco para a doença mental.

O termo foi cunhado por um sociólogo chamado Corey Keyes, que ficou impressionado pelo fato de muitas pessoas que não estavam deprimidas também não estarem prosperando. Sua pesquisa sugere que as pessoas com maior probabilidade de experimentar grande depressão e transtornos de ansiedade na próxima década não são aquelas que têm esses sintomas hoje. São as pessoas que estão definhando neste momento.

E novas evidências de profissionais de saúde da pandemia na Itália mostram que as que estavam definhando na primavera de 2020 tinham três vezes maior inclinação que seus pares a ser diagnosticadas com transtorno de estresse pós-traumático. 

Parte do perigo é que quando você está definhando pode não perceber o embaçamento do prazer ou a diminuição do impulso. Você não se pega escorregando lentamente para a solidão; você é indiferente à própria indiferença. Quando alguém não pode ver o próprio sofrimento, não busca ajuda ou faz alguma coisa para se ajudar. 

Mesmo que você não esteja definhando, provavelmente conhece pessoas que estão. Compreender melhor isso pode ajudar você a ajudá-las. 

UM NOME PARA O SEU SENTIMENTO 

Os psicólogos acham que uma das melhores estratégias para lidar com as emoções é lhes dar nomes. Na última primavera [outono no hemisfério Sul], durante a angústia aguda da pandemia, a postagem mais viral na história da Harvard Business Review foi um artigo que descreveu nosso desconforto coletivo como sofrimento. 

Juntamente com a perda de pessoas amadas, estávamos lamentando a perda da normalidade. "Sofrimento." Isso nos deu um vocabulário conhecido para entender o que parecia uma experiência desconhecida. 

Embora não tivéssemos enfrentado uma pandemia antes, a maioria das pessoas tinha experimentado perdas. Isso nos ajudou a cristalizar lições de nossa antiga resiliência —e ganhar confiança em nossa capacidade de enfrentar a adversidade atual. 

Ainda temos muito a aprender sobre o que causa definhamento e como curá-lo, mas nomeá-lo pode ser um primeiro passo. Pode nos ajudar a desembaçar a visão, dando-nos uma janela mais clara para o que era uma experiência borrada. Pode nos lembrar de que não estamos sós: o definhamento é comum e compartilhado. 

E pode nos dar uma resposta socialmente aceitável para "Como você está?".

Em vez de dizermos "Ótima!" ou "Bem", imagine se respondêssemos: "Honestamente, estou definhando". Seria um contrapeso revigorante para a positividade tóxica —essa pressão tipicamente americana para estarmos animados o tempo todo. 

Quando você acrescenta "definhamento" ao seu vocabulário, começa a percebê-lo ao seu redor. Ele aparece quando você se sente desanimado com sua curta caminhada à tarde. Está na voz de seus filhos quando você lhes pergunta como foi a escola online. Está nos "Simpsons" cada vez que um personagem diz "Meh".

No último verão, a jornalista Daphne K. Lee tuitou sobre uma expressão chinesa que significa "procrastinação vingativa na hora de dormir". Ela a descreveu como ficar acordada até tarde da noite para recuperar a liberdade que perdemos durante o dia.

Eu comecei a me perguntar se não é tanto uma retaliação contra a perda de controle quanto um ato de desafio silencioso contra o definhamento. É uma busca por felicidade em um dia árido, por conexão em uma semana solitária ou por objetivo em uma pandemia eterna.

ANTÍDOTO PARA O DEFINHAMENTO

Então o que podemos fazer a respeito disso? Um conceito chamado "fluxo" pode ser um antídoto para o definhamento. Fluxo é aquele fugidio estado de absorção em um desafio importante ou uma ligação momentânea, em que sua sensação de tempo, lugar e self se dilui.

Durante os primeiros dias da pandemia, o melhor previsor de bem-estar não era otimismo ou atenção plena —era o fluxo. As pessoas que mergulhavam mais em seus projetos conseguiam evitar o definhamento e mantinham sua felicidade pré-pandêmica.

Um jogo de palavras de manhã cedo me projeta no fluxo. Uma sessão de Netflix na madrugada às vezes também faz o truque —ela o transporta para dentro de uma história em que você se sente atraído pelos personagens e preocupado com o bem-estar deles.

Enquanto encontrar novos desafios, experiências agradáveis e trabalho significativo são possíveis remédios para o definhamento, é difícil encontrar fluxo quando você não consegue se concentrar.

Isso já era um problema muito antes da pandemia, quando as pessoas ficavam verificando o e-mail 74 vezes por dia e mudando de tarefas a cada dez minutos. 

No último ano, muitas pessoas também estiveram lutando com interrupções desse tipo com crianças dentro de casa, colegas do mundo todo e chefes 24 horas por dia. "Meh." 

A atenção fragmentada é inimiga do envolvimento e da excelência. Em um grupo de cem pessoas, somente duas ou três serão capazes de dirigir e memorizar informação ao mesmo tempo sem que seu desempenho piore em uma ou nas duas tarefas. Os computadores podem ser feitos para processamento paralelo, mas os seres humanos são melhores em processamento serial. 

TEMPO SEM INTERRUPÇÕES 

Isso significa que precisamos definir limites. Anos atrás, uma grande empresa de software da Índia testou uma política simples: nada de pausas na terça, quarta e quinta-feiras antes do meio-dia. Quando os engenheiros cuidaram do limite eles próprios, 47% tiveram produtividade acima da média. Mas, quando a companhia definiu um tempo de silêncio como política oficial, 65% conseguiram produtividade acima da média. 

Produzir mais não foi melhor só para o desempenho no trabalho; sabemos hoje que o fator mais importante na alegria e motivação diárias é a sensação de progresso. 

Não acho que haja algo mágico em terça, quarta e quinta antes do meio-dia. A lição dessa ideia simples é tratar blocos de tempo ininterrupto como tesouros a se proteger. Eles eliminam distrações constantes e nos dão liberdade para nos concentrarmos. Podemos encontrar alívio em experiências que captam toda a nossa atenção. 

PEQUENO OBJETIVO 

A pandemia foi uma grande perda. Para transcender o definhamento, experimente começar com pequenas vitórias, como o minúsculo triunfo de descobrir um "quem fez algo" ou a emoção de encaixar uma palavra de sete letras. Um dos caminhos mais claros para o fluxo é uma dificuldade que se supera por pouco: um desafio que força suas capacidades e enaltece sua decisão. 

Isso significa encontrar tempo diário para se concentrar em um desafio que é importante para você —um projeto interessante, um objetivo válido, uma conversa significativa. Às vezes, é um pequeno passo na direção de redescobrir parte da energia e do entusiasmo que lhe fizeram falta durante todos esses meses. 

O definhamento não está apenas em nossa cabeça —está em nossas circunstâncias. Você não pode curar uma cultura doente com ataduras pessoais. Ainda vivemos em um mundo que normaliza os desafios de saúde física, mas estigmatiza os desafios de saúde mental. Ao rumarmos para uma nova realidade pós-pandêmica, é hora de repensar nossa compreensão da saúde mental e do bem-estar. 

"Não deprimido" não significa que você não sente dificuldades. "Não esgotado" não significa que você está totalmente ligado. Ao admitir que tantas pessoas estão definhando, podemos começar a dar voz ao desespero silencioso e iluminar um caminho para sair do vazio.

terça-feira, 23 de março de 2021

Da Escola dos Doutores do Alegria

 “É pela prática de arte que norteamos nossas ações e o palhaço é nosso território, nossa expressão, o ser e o estar. 

Falar em linguagem do palhaço é falar da sombra, da presença, da verdade, do fingimento, da crueldade, da crítica, da ingenuidade, do medo, da irreverência; na repetição e no improviso. 

Na graça e na tragédia nos constituímos. E tolo seria enfrentarmos tais traços sem um treino em arte.

O palhaço como linguagem não existe sem o outro, seja o outro uma paisagem, um objeto, um alguém, um sentimento. 

No seu reflexo, no seu comentário, na sua estrutura, é quase sua razão de existir.”

Conheça em https://doutoresdaalegria.org.br


domingo, 14 de fevereiro de 2021

Segurança na internet... na voz das crianças

Olá! 

Após entrevista ao Jornal Joca, resolvi reunir dicas de segurança na internet que ouvi dos meus alunos. 

  • "Não precisa colocar sua foto de verdade, pode ser um desenho."
  • "Em caso de dúvida, converse com pessoas conhecidas que podem ajudar você."
  • "Não se apegue aos likes das redes sociais para ser feliz."
  • "Cuidado com lojas que ligam pedindo seu whatsapp ou informações para fazer "sorteio".
  • "Não clique em link de pessoas desconhecidas. Bloqueie essa pessoa." 
  • "Cuidado com aplicativos que oferecem dinheiro grátis."
  • "Evite mensagens ou email pedindo informações para verificar você no TikTok."

CERT.BR Confira a cartilha do Centro de Estudos, Resposta e Tratamento de Incidentes de Segurança.
https://cartilha.cert.br/seguranca/

Sugestão para testar seus conhecimentos: jogue INTERLAND, uma aventura on-line para combater hackers, phishers, compulsão e bullying!  
https://beinternetawesome.withgoogle.com/pt-br_br/interland/

Email de contato: fernando@carril.com.br

terça-feira, 6 de agosto de 2019

Doente de Brasil


"Precisamos recuperar a palavra como mediadora em todos os cantos onde houver gente. (...) É preciso dizer: não vai ficar mais fácil. Não estamos mais lutando pela democracia. Estamos lutando pela civilização."

Eliane Brum entrevista especialistas em saúde mental no país

https://brasil.elpais.com/brasil/2019/08/01/opinion/1564661044_448590.html

domingo, 28 de julho de 2019

quarta-feira, 15 de maio de 2019

Dia de luta e esperança



quarta-feira, 6 de março de 2019

Carnaval 2019 foi inesquecível!